Inglês   |  Português

Global Raptor Impact Network

Mais da metade das espécies de aves de rapina do mundo tem populações em declínio e quase 20% estão ameaçadas de extinção. A necessidade de monitorar rapinantes e entender as ameaças que eles enfrentam é, portanto, mais urgente do que nunca. O Global Raptor Impact Network (GRIN) foi criado como uma expansão do African Raptor DataBank, porém a nível global e combinado a Global Raptor Information Network do The Peregrine Fund - tudo em um esforço para monitorar e conservar os rapinantes em todo o mundo. O GRIN oferece aos pesquisadores de aves de rapina ferramentas para conduzir seus próprios estudos de maneira mais eficiente e, ao mesmo tempo, contribuir para um programa global. O GRIN também fornece aos cidadãos uma maneira de participar da ciência e da conservação das aves de rapina.

O banco de dados de avistamentos de aves de rapina mantido pelo GRIN (o GRIN DataBank) já conta com quase 200.000 entradas, em grande parte graças à ajuda de pesquisadores, observadores de aves e projetos de atlas ornitológicos. Ele é projetado para contabilizar todos os tipos possíveis de observações de aves de rapina: contagens em estradas, transecções, pontos de contagem, rastreamentos por satélite, dados de mortalidade e dados de museu. O GRIN DataBank é coordenado pelo The Peregrine Fund e administrado pela Habitat Info.

Criado a partir do African Raptor DataBank

Na década de 1990, os cientistas perceberam que as populações de muitas aves de rapina pareciam estar em declínio em toda a África. Porém, não havia como avaliar a redução de suas áreas de vida, identificar seus ninhos ou rastrear suas ameaças em todo o continente com precisão. Então, o Habitat Info, The Peregrine Fund e outros parceiros desenvolveram o African Raptor DataBank (ARDB) para resolver essas questões.

O abutre-de-cabeça-branca foi elevado à categoria “Criticamente Ameaçado” na Lista Vermelha da IUCN, em parte com base no ARDB. O mapeamento espacial revelou contrastes alarmantes entre os hábitats viáveis atualmente e os dados históricos.

Em outubro de 2011, o ARDB contratou pesquisadores de aves de rapina em toda a África para coletar observações em tempo real ao longo de um período de cinco anos. Essas observações permitiram uma estimativa do tamanho da área de vida e da distribuição dos rapinantes de todo o continente, os mesmos critérios usados ​​pela IUCN para avaliar o risco de extinção de espécies. Os dados atuais foram coletados por meio de um aplicativo de smartphone, em parceria com a Eckerstrom Consulting, com a Convenção das Nações Unidas sobre a Conservação de Espécies Migratórias (Raptors MoU) e com dezenas de grupos científicos e conservacionistas em todo o continente. Dados históricos também foram inseridos, através da digitalização de atlas, permitindo comparar essas informações com dados em tempo real.

Usando mais de 180.000 pontos de dados no ARDB, os cientistas calcularam a quantidade impressionante de hábitat perdido desde 1978, mapearam pontos críticos de ameaça (como envenenamento e eletrocussão) e identificaram locais mais favoráveis em termos de hábitat para cada espécie de rapinante. Esses resultados contribuíram significativamente para a inclusão de seis abutres africanos na Lista Vermelha da IUCN. O ARDB reuniu esforços individuais de pesquisadores e ciência-cidadã de todo o continente para priorizar espécies para manejo, identificar hábitats que precisam ser protegidos e determinar onde as ameaças são mais graves. O GRIN se baseia nesse sucesso, tornando o ARDB uma iniciativa global e adicionando amplitude e profundidade aos métodos de coleta, armazenamento e análise de dados.

O Aplicativo GRIN para smartphones está aqui!

Disponível para dispositivos Android e iOS, o aplicativo GRIN é uma ferramenta gratuita que permite que cientistas profissionais e cidadãos coletem dados referentes a aves de rapina em seus dispositivos móveis. As observações, incluindo avistamentos, produtividade de ninho, mortalidade e espécimes de museu (dentre outras) podem ser agrupadas através do aplicativo GRIN. Assim, os pesquisadores de aves de rapina podem conduzir estudos diretamente no campo com seus dispositivos móveis, eliminando a necessidade da tediosa entrada de dados pós-campo.

Os recursos do aplicativo incluem:

  • Upload de dados via celular ou conexão wi-fi
  • Armazenamento seguro no GRIN DataBank
  • Uma lista global de espécies de rapinantes que pode ser filtrada por táxon
  • Flexibilidade para coletar registros de avistamento simples ou resultados de pesquisas complexas
  • Exportação de dados via dispositivo móvel
  • Vários tipos de pesquisa integrados e registro automático do esforço de pesquisa

Por que os seus registros importam?

A velocidade e a escala das ameaças que as aves de rapina enfrentam exigem um esforço de monitoramento global, o qual acompanhe um mundo em rápida mudança. Seus registros nos ajudarão a manter o controle sobre as populações de rapinantes no mundo, ao mesmo tempo que identificamos ameaças a eles e as ações de conservação necessárias. As aves de rapina precisam de espaço e suas observações também nos ajudarão a medir a quantidade de hábitat que está sendo usado, além do hábitat disponível para uso de cada espécie.

Quem tem acesso aos dados

(Clique aqui para logar e acessar os seus dados) (Em inglês)

Atualmente, apenas os usuários que inserem dados e os pesquisadores do The Peregrine Fund tem acesso ao GRIN DataBank. Em outras palavras, se você inserir dados, apenas você e o The Peregrine Fund terão acesso a eles. O The Peregrine Fund estabelecerá acordos com proprietários de dados, de acordo com as especificações de seu conjunto de dados. Além disso, se seus dados constituírem mais de 10% dos dados usados ​​em uma análise, você tem a coautoria garantida em qualquer publicação resultante dessa análise. Portanto, não há risco algum de ser "explorado" ao inserir seus dados no GRIN DataBank.

Planejamos implementar visualizações de dados que podem incluir mostrar locais de avistamentos em mapas. Dados referentes a rapinantes podem ser confidenciais e, portanto, às vezes não devem ser tornados públicos. Portanto, tomaremos cuidado especial para não postar, mapear ou compartilhar dados sobre a localização de espécies sensíveis ou locais de nidificação. Os usuários também podem marcar qualquer observação como "confidencial" para garantir que o local não seja tornado público.

Inserindo dados antigos

No momento, estamos trabalhando para mobilizar conjuntos de dados antigos e podemos ajudar com os seus. Basta enviar-nos um e-mail para GRIN@peregrinefund.org e nos informar que deseja que seus dados sejam enviados para o GRIN DataBank. Estaremos fornecendo planilhas simples de usar que podem ser preenchidas com dados de avistamentos ou dados de observação de ninhos e, em seguida, simplesmente arrastadas para um mapa da web para sincronizar os dados com o GRIN.

E quanto ao antigo site do GRIN?

Ainda está lá! Nenhum conteúdo do antigo site foi perdido. Esperamos em breve reformular o site do GRIN para mesclar o conteúdo antigo com o novo DataBank. Fique ligado!

Visite o site original do GRIN

Recursos Futuros

GRIN continuará a crescer em funcionalidade e capacidade. Desenvolvimentos futuros incluirão:
  • Antigos recursos do GRIN (espécies e perfis de pesquisadores, bibliografia) combinados ao novo DataBank, com recursos de mapeamento e resultados mesclados;
  • Análises em tempo real de áreas de vida, tamanho das populações e demografia ao longo do tempo;
  • Output interativo e personalizado, incluindo mapas e gráficos;
  • Opção “Arrastar e soltar” para o upload da planilha simples no GRIN DataBank;
  • Ferramentas de colaboração para pesquisadores coordenarem projetos;
  • Interação com a Avian Knowledge Network (AKN);
  • Recursos de compartilhamento e download de dados seguindo os padrões AKN.

Nossos parceiros